Um Kyudoca Brasileiro em SF

Este fantástico relato é do praticante de Brasília, Leandro Napolitano, que teve a oportunidade de passar 3 meses em São Francisco, Califórnia (EUA) treinando diretamente com Yoshiko Buchanan-sensei em seu dojo.
Ele compartilhou esta experiência neste depoimento há alguns meses e só agora tive tempo para postar mas ainda assim vale a pena ler até o final.

São Francisco, 29 de maio de 2013

Turma de SF com Napolitano
Turma do Shiseikan Dojô

À família BKK,

Minha chegada a San Francisco foi bastante tranquila, seguida de dias bonitos sempre pontuados pelo típico e incessante vento que não deixa de jogar lá para baixo a sensação térmica.

Após alguns contatos com Yoshiko Sensei e diversas consultas aos mapas de transporte público local tive a grata surpresa de saber que, no sábado, dia 25 de maio, o grupo da Sensei se reuniria para prática de matomae a 28m.

A respeito dos treinos…

Estou me organizando para participar de um dos treinos diários com a Sensei. Sei que acontecem diariamente – individuais ou duplas – na garagem de sua residência, onde estão montadas duas makiwaras. Matomae, taihai, hanamato e tiros livres acontecem nos dois treinos especiais do mês, em um ginásio poliesportivo de uma “high school”, em Los Altos.

À exceção dos godans, yondans e chuva de yudanshas (éramos uns 15 no total), arriscaria dizer que a dinâmica flui de uma maneira muito parecida com a que levamos em Brasília.

Em ordem: Montagem do dojô (que tratarei a parte), todos se preparam, palavras iniciais da Sensei, Reiho (por algum aluno designado na hora) e leitura do Shaho Kun e do Reki Shagi pela mesma pessoa, acompanhada de todos. Na sequência, todos perfilados para um alongamento/aquecimento específico.

A partir dos menos graduados: séries de Taihai, sempre com alunos mais graduados realizando as orientações necessárias. No meu caso, a Sensei pediu que focassem minha instrução no Taihai em Risha, uma vez que não praticamos em Brasília – omae e niban fazem yatori. Ao final, sessão de Perguntas e Respostas com a Sensei seguida de tiros livres. Filas de 3 alunos, cada um atirando dois turnos de duas flechas (apenas uma flecha por vez) – um parceiro cuida da estrutura de tiro e outro fica alinhando a mira. Ao final, yatori – o primeiro sempre vai retirar as flechas e marcar a posição dos tiros.

Pausa para o lanche.

Todos voltam e se voltam para o hanamato…

A metade de um alvo, especialmente decorada para o mês, é colocada na posição central do azuchi. Todos sorteiam um número, que será a ordem do tiro. Em grupos de três, cada um tem direito a uma flecha. Ao final, quem acertar ou chegar mais próximo, ganha o hanamato e um sharei.

Cerimônia de encerramento e desmonte do dojô.

A foto acima foi registrada ao final do chá de boas-vindas em um café da localidade. Após isso, Sensei e Mr. Buchanan fizeram questão de me deixar na estação de trem mais próxima.

Não tenho palavras para expressar minha gratidão pela hospitalidade de todos e, principalmente, pelo zelo e pelo carinho com que Yoshiko Sensei e seu marido tem demonstrado.
Espero que eu tenha conseguido transmitir um pouco da minha vivência, a qual, certamente, terá próximos capítulos !!
Aproveito para agradecer imensamente a Yanai Sensei e ao Igor San que me franquearam a abertura desse inestimável canal direto com a Sensei.
Domo Arigatou Gozaimashita!!
Gambatte!!
Leandro Diaz Napolitano

Publicado por

Igor Prata

Analista de Segurança e Kyudoca desde 2008

Deixe o seu comentário na página Kyudo Kai Brasil